Pular para o conteúdo principal

Trabalhar em Casa


O sonho de alguns empreendedores é trabalhar em casa! Por "N" motivos, que cada um tem os seus mas os mais comuns são: fazer o que quiser na hora que quiser, conforto, não precisar se locomover, poder trabalhar de pijama e fazer o horário de expediente, que bem entender. E na prática funciona?!

Na prática a teoria é outra!

Na vida real, uma empresa funciona com planejamento, organização e gestão mesmo que essa empresa seja formada por uma pessoa. Todas as tarefas diárias exigem uma sistematização de processos, caso contrário, vira uma bagunça!!! Com a falta de ordem muitas atividades ficam pela metade o que consequentemente perdem a produtividade e a competência. A minha estratégia é o planejamento!

Vamos analisar os 5 motivos mais comuns para querer trabalhar em casa - com foco em capacidade produtiva e desenvolvimento:

1) Fazer o que quiser na hora que quiser: sim é possível! Porém, uma agenda bem organizada e pensada com antecedência (por exemplo: uma semana antes) só vai trazer benefícios e mais capacidade produtiva. De nada adianta fazer o que quiser na hora que quiser se a empresa não crescer.

2) Conforto: Sim com certeza nada é melhor que o conforto do lar. Em contrapartida se o profissional não mantiver uma determinada ordem em casa o trabalho pode ficar improdutivo e perder a qualidade.

3) Não precisar se locomover: Sim é uma maravilha não precisar de um meio de transporte para ir trabalhar. Contudo, é preciso saber aproveitar esse tempo que foi ganho das idas e vindas no trânsito. Aproveitar de forma construtiva para o bem do desenvolvimento profissional.

4) Poder trabalhar de pijama: Sim é possível! Mas não sempre...nem todos os dias!! pois quando a pessoa levanta e troca de roupas cria um hábito. É como se vestisse a "empresa"! O que é muito vantajoso para o progresso do dia de trabalho.

5) Fazer o horário que bem entender de expediente: Sim, sem dúvida, é um ponto muito a favor. Ter em mente, que fazer seu próprio horário não pode virar bagunça. Cumprir as tarefas propostas e ter mais flexibilidade de tempo vai ajudar ainda mais os organizados. Já para os desorganizados será importante providenciar uma certa sistematização até que vire um hábito e tudo flua com menos ansiedades. 

Trabalhar em casa exige muita organização e objetivos claros! Sempre!

E você? Trabalha em casa a quanto tempo? como está se saindo?

Posts Relacionados:

Representantes X WhatsApp

Mudar de Trabalho: Planejamento e Organização

Críticas: é difícil Lidar?

5 Dicas para Segunda-feira ser mais Produtiva

Paciência

Gostou do conteúdo? Quais assuntos e ou livros você gostaria de ver por aqui? Escreve aqui embaixo ou me manda nas redes sociais:

No instagram: @svdanielle

No Facebook: @svdanielle

No youtube: Danielle SV

Quer receber minhas cartinhas uma vez por mês - todo dia 17: Clica aqui vem ver como faz!

Quer saber as respostas para as perguntas que mais nos fazem? Clica aqui e vem ver!

Bom trabalho!







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Geladeira coletiva da empresa: não deixe comida velha!

Assunto que pode parecer um pouco estranho para alguns - já para outros nem tanto! É muito comum, inclusive, as empresas abolirem a geladeira pelos maus hábitos dos colaboradores. Se você é a pessoa que esquece comida dentro da geladeira e nunca mais lembra até criar mofo: anote na agenda uma vez por semana fazer uma limpa ou melhor tenha um dia especial para fazer a limpeza em seus alimentos. Quem sabe todas as sextas-feiras, assim, não fica comida ruim na geladeira no final de semana. A geladeira da empresa é um utensílio coletivo que deve ser tratado com educação e cuidado por todos. Deixar os alimentos envelhecerem dentro dela é o verdadeiro descaso com o resto dos colegas. Não espere que um colega lhe avise que tem algo ruim seu na geladeira. A responsabilidade por manter limpo o que usa é de cada um. Assuma as responsabilidades que são suas e evite estresses desnecessários com os colegas ou com os superiores. Ambiente coletivo todos devem ser colaborativos

Doando Plantas: que você não quer mais!

Que tal doar as plantas que você não quer mais? Aqui surge uma oportunidade para aqueles que tem uma planta , árvore e ou flor em casa e também para aqueles que não têm plantas mas querem ter. Se você tem uma planta em sua casa ou no seu escritório que não vingou  e ou quer mudar a decoração e não sabe o que fazer com elas? Doe! Sabe aquele velho ditado "se você não quer tem quem queira" essa situação se aplica! Porque colocar no lixo algo que ainda pode ser cuidado por alguém? As vezes a situação é de viagem: vai viajar? passar um bom tempo fora e não tem quem cuide de suas plantas? quem sabe doar para alguém que se interesse antes de viajar? Conte para todos que você conhece que está doando! Via mídias sociais! Tire fotos e mostre para os amigos! logo aparecerá um novo lar para sua planta!   Caso deseje escrever uma mensagem aqui nesse post como tantas pessoas já fizeram: lembre de escrever qual seu Estado, sua Cidade e suas redes sociais pois o blog recebe leito

Livro: Meu livro da consciência: 365 mensagens para nossas boas escolhas de cada dia

Esse livro é um dos que uso muito: é pequeno deve ter em torno de 12 cm x 17 cm mas tem 400 páginas. Acho ele otimista sem ser exagerado e traz reflexões que muitas vezes ficam lá guardadas no subconsciente. O título é bem propício pois traz reflexões para que sejam conscientizadas e adequadas para realidade de cada um.  O autor é Terapeuta e professor universitário. Esse é um livro que pode ser usado em diversos momentos da vida mas nesses momentos de insegurança e descrença mundial é ainda mais útil. Cada folha dele tem data (sem ano) e uma reflexão para o dia. É bom colocar na balança determinados assuntos como: vida profissional, forma de vida cotidiana, pessoas e coisas que não acrescentam etc. Enfim, uma vida mais leve e satisfatória de acordo com as expectativas de cada um. Livro: Meu livro da Consciência: 365 mensagens para nossas boas escolhas de cada dia Autor: Tadashi Kadomoto Editora: Gente  Número de páginas: 400 ISBN: 978-85-452-0212-7 Ano da Edi