Pular para o conteúdo principal

Intraempreendedor

 08/08/2011 – Pequenas empresas grandes negócios
‘Conciliar negócio próprio com emprego fixo depende de ética’
O consultor Eduardo Bom Angelo avalia o comportamento necessário para o profissional que deseja abrir uma empresa sem pedir demissão
Por Juliana Bacci

O economista Eduardo Bom Angelo.
Ele é um líder, trabalha bem em equipe, enxerga oportunidades e ajuda a empresa a crescer. O profissional intraempreendedor é um perfil desejado pelas empresas que valorizam as novas ideias e facilitam a comunicação. Mas o que acontece quando esse empregado decide usar essas características e abrir um negócio próprio, sem se desligar da empresa onde trabalha? O economista Eduardo Bom Angelo, que foi diretor presidente da BrasilPrev entre 2003 e 2007 e, agora, atua como voluntário do Instituto Endeavor, coach e consultor, avalia que é possível manter a “vida dupla”. Mas – e sobretudo – desde que funcionário e empresa mantenham a ética e o respeito à verdade. Segundo o especialista, autor do livro “Empreendedor Corporativo” (Negócio Editora), o empreendedorismo nas corporações avança a cada ano, beneficiando-se de uma flexibilização das relações de trabalho. 

Como identificar o profissional intraempreendedor? 

Eu não acredito que haja uma diferença substancial entre quem empreende dentro de uma empresa ou fora dela. Como qualquer empreendedor, o intraempreendedor enxerga oportunidades onde outras pessoas enxergam obstáculos. Ele possui também traços de liderança e tem facilidade para trabalhar em equipe. A única diferença é que o empreendedor depende de seu próprio capital para levantar um negócio ou fazer uma boa ideia acontecer, enquanto o intraempreendedor está protegido pelo fato de usar dinheiro de terceiros.
 

É vantajoso para uma empresa contratar intraempreendedores? 

Sim, desde que a empresa forneça um cenário favorável ao empreendedorismo. Não adianta contratar gente empreendedora e fornecer um ambiente de trabalho autoritário centralizador, hierarquizado, onde as informações não fluem. A partir disso, também é necessário que haja interlocutores que possam validar ideias empreendedoras, que reconheçam aqueles que estão se destacando e contribuindo com o crescimento da empresa.
 

Qual é a postura que uma empresa deve adotar diante de um intraempreendedor que decide investir em um negócio próprio? 

Depende das regras da empresa. Algumas multinacionais, que são mais rígidas, não permitem que isso aconteça. Eu parto sempre do princípio – não só nessa situação, mas em qualquer impasse corporativo – que é sempre bom lidar com duas palavras: ética e verdade.
 

E a postura do funcionário?
Vale a mesma regra do bom senso. Eu não vejo muito sentido em alguém abrir um negócio próprio escondido porque, em algum momento, e de alguma forma, isto vai ser revelado, nem que seja por terceiros. A postura do empreendedor deve ser de preservar os interesses da empresa. Afinal, é ela quem paga o seu salário. Você não pode trabalhar num escritório e, às duas da tarde, no meio do expediente, sair correndo porque pegou fogo na cozinha da sua franquia de uma rede de doces, por exemplo. Nem gastar tempo de trabalho para resolver questões com fornecedores da sua empresa por telefone ou e-mail.
Vale abrir um negócio no mesmo ramo da empresa na qual o empreendedor trabalha? 

Não. O empreendedor precisa tomar bastante cuidado com isso. Além de virar concorrente da empresa para a qual presta serviços, o empreendedor deve perceber que, nessa situação, precisará de tanto tempo quanto o que se dedica ao seu trabalho.
 

O que fazer numa situação como essa, em que o empreendimento exige bastante tempo? 

Se o seu negócio exige alguém 100% focado no trabalho, é necessário procurar a ajuda de um gerente, gestor ou alguém que cuide da parte operacional, enquanto você se apresenta como sócio investidor, que dedica parte de seu tempo livre ao negócio, seja durante a noite ou nos finais de semana.
 

Desde 2003, quando publicou seu livro “Empreendedor Coorporativo”, houve alguma mudança no cenário do empreendedorismo nas corporações brasileiras? 

Hoje há mais flexibilidade por parte das empresas em aceitar que seus funcionários “toquem” negócios paralelos. Até 11 anos atrás, quando comecei a dar aulas sobre empreendedorismo, não havia títulos publicados sobre esse assunto no Brasil, o que explicava a rejeição das empresas por funcionários que desejavam levar adiante um negócio particular. Ainda que a lei trabalhista brasileira seja rígida, engessada e antiga, as relações de trabalho estão se tornando cada vez mais flexíveis. O intraempreendedor que decide abrir um negócio próprio é apenas um exemplo disso.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Chocolate, Vida saudável e Trabalho!

O chocolate por incrível que pareça tem tudo a ver com uma alimentação saudável e balanceada. Confesso que um chocolate após o almoço com cafezinho me deixa mais alerta para trabalhar durante o resto do dia. Mas o chocolate ao qual me refiro aqui: é o meio amargo e amargo.

Na foto estão os 85% cacau e o, que é melhor ele sacia a vontade de comer chocolate com apenas um quadradinho, pois é bem forte e amargo mesmo!



É só comprar o chocolate 85% cacau e sair comendo ?

Eu escolhi me adaptar aos poucos. fui aumentando o percentual de cacau gradualmente!

Começar com o meio amargo...passar para o 60% cacau...depois 70%... 85% que é amargo mesmo e 99% cacau!

Aqui tem algumas idéias para se adaptar mais fácil com o amargo!

60% cacau é mais fortinho que o meio amargo...e a Hershey's tem algumas opções de sabor...são bem gostosos.


Aqui 70% da cacau show! Mais forte que o anterior!



Aqui 80% cacau da Lindt e da Cacau show!!! Os dois são bons, porém o Lindt tem o preço de importação então é mai…

Fale Menos da Sua Vida Pessoal em um Ambiente Profissional

Que mistura hein?! Sabe aquele colega que chega todos os dias e comenta como foi suas últimas horas? Perceba, que na maioria das vezes quem está metido em debates acalorados, desavenças e fofocas é sempre ele! Fala demais: assuntos desnecessários para um ambiente profissional.
O ambiente de trabalho fica muito mais leve quando a conversa gira em torno do trabalho ou sobre amenidades como: cultura em geral, passeios interessantes, livros, séries de tv etc. Existem "N" temas para serem debatidos em um local de trabalho que não o relato constante da vida pessoal.
A vida pessoal de cada um interessa a si e aos envolvidos quando muito com aos amigos íntimos!
Com as mídias sociais surgiu o hábito de postar frequentemente a vida pessoal, porém, lembre que entre os amigos também estão os colegas de trabalho. Muitos deles se sentem a vontade em comentar suas fotos no dia seguinte no trabalho. E qual a solução para isso? não poste cada momento de sua vida se você não é um youtuber ou…

Vender: seja na loja Física ou Virtual!

Vender, realmente, é uma arte! Seja a venda física ou virtual cada pessoa que trabalha com comércio ou serviço deve encontrar o que de mais interessante pode passar ao seu cliente! A Diferença está nos Detalhes!
A venda engloba muitas áreas - perceba: um blogueiro, também, é um vendedor; Ele pode nem sempre ter um produto em mãos, porém está vendendo a sua imagem diariamente ou seja lá quantas vezes faz vídeos na semana. Não é necessário ter um objeto em mãos para exercer a venda! Saber os detalhes do produto ou serviço é essencial para alcançar os objetivos. Encante seu Cliente!
A internet trouxe a concorrência para dentro da casa de cada um mas também trouxe a informação para todos! Com ela você pode refletir e observar quem são seus clientes nas mídias sociais, o que eles fazem, quais são seus gostos etc.
Da mesma forma o cliente, também, está mais informado e não se contenta com qualquer informação superficial. Percebi ao longo dos anos trabalhando, que o cliente da loja física p…